13 de out de 2009

Dante e sua visão romântica do amor


Dante Alighieri terminou Vita nuova em 1292, já demonstrando algo do método, desígnio e intenção da Commedia. Com efeito, lá está anotado seu propósito de escrever uma obra realmente condigna, com palavras que jamais houvessem sido proferidas a respeito de qualquer outra dama:
§ XLII Depois deste soneto, tive uma admirável visão na qual me apareceram coisas que me determinaram não mais falar nessa bendita senhora até que eu pudesse mais dignamente fazê‑lo.
Os críticos dividem‑se entre os que consideram Vita nuova primariamente histórica e primariamente alegórica. Estes esgrimam mais argumentos que os primeiros pois, caso haja um fundo biográfico, Dante o deixou irreconhecível, graças à mistura de prosa e verso e às imagens típicas da antiga tradição da literatura visual que tem no Pastor de Hermas um famoso precedente.
Em Vita nuova, Beatriz é exaltada, podendo ser considerada uma personificação alegórica de uma virtude abstrata, dianoética ou moral. Provavelmente, Dante aproveita de forma alegórica fatos de sua vida pessoal que lhe pareceram ter valia filosófica e impessoal: não pretendia fazer confissões nem inconfidências, mas trabalhar sobre experiências efetivas, intelectuais e imaginativas, produzindo algo nem realístico nem ficcional.
Sua experiência afetiva com o sexo oposto estranha de ser por ele apresentada tão tardiamente, se não queria mesmo se valer de alguma significação particular do número nove. Tendo sido experiência real, pouco importam os detalhes da trama. Mas o mesmo relato descrito em termos freudianos seria imediatamente aceito como fático pelo público moderno; como Dante tirou outras conclusões e expressou‑se de outro modo, resulta a incredulidade.
O extremo seria pensar que, se Dante segue essa forma de visão de longa tradição literária desde o Pastor de Hermas, é que a história é pura mistificação. Mas o hábito na imagística do sonho pode persistir por muitas alterações da civilização; além disso, Dante com certeza seguia algo mais essencial do que uma simples “herança cultural”.
Não se deve buscar as origens do sentimento de Dante, mas sua causa final: o que significou para sua reflexão madura o descrito encontro com Beatriz. Se a causa final do amor entre um homem e uma mulher não fosse Deus, a relação entre os pares seria apenas acasalamento entre animais, consciência que se perdeu nos últimos séculos.
Tendo esses sentimentos, partilhados pelos provençais, mas excluídos o enfoque do albigensianismo, Vita nuova é uma espécie de tratado sobre a “sublimação”, imbuído de senso prático anti‑romântico, de filosofia católica da desilusão. Enquanto a Commedia nos mergulha nas imagens, pensamento e dogma medievais, Vita nuova introduz na sensibilidade de então.
O ideário da lírica trovadoresca, do qual Dante partilhava, consistia numa concepção original do amor (o fin’amors), baseada na idealização da mulher segundo ética humanista, a exaltação da damna em uma joie d’amors, o aperfeiçoamento moral do amante, levado pelas qualidades morais (vertuda dama. Dante via no amor entre um homem e uma mulher um dos mais fortes impulsos para conduzir ao amor de Deus. Todos os amores apresentam graves riscos de fracasso com grandes possibilidades de realização pessoal, e Dante explorou os abismos e altitudes para onde os diferentes tipos de amor podem levar.
O método da “afirmação das imagens”, em que o amor humano se demonstra uma escada ao amor divino, sem dúvida não pode ser confundido com o fácil engano de trocar “Deus é Amor” por “amor (no sentido de paixão avassaladora) é Deus”: Dante quer é desmascarar a acusação de que o amor humano está em desacordo com o amor divino. Na linha do Cântico dos Cânticos, mas em chave alegórica, Dante tem um duplo propósito: mostrar como seu amor por Beatriz se enquadra no esquema universal da Redenção e como é apaixonado, isto é, como une dois mundos, o espiritual e o material. Por isso chega a afirmar que o céu e a terra puseram juntos a mão para formar il poema sacro (Paradiso, XXV):


1 Se porventura o poema alto e sagrado,
a que puseram mãos o céu e a terra,
e me deixou das forças extenuado,

4 a maldade vencer que me desterra
do antigo ovil onde me achei agnelo,
diante dos lobos que lhe movem guerra,

7 mudada agora a voz, alvo o cabelo,
poeta, retornarei, para na fonte
do meu batismo haver o laurel belo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...