30 de mai de 2013

A ilusão das próprias contradições

A bandeira dos direitos humanos é um salvo-conduto no discurso da vanguarda política, mesmo à custa da coerência.

Bom exemplo é o artigo da promotora Fabiana Dal’Mas Rocha Paes, publicado em O Globo no dia 30/5/2013, que reúne todas as contradições cuidadosamente organizadas como o baralho de um castelo de cartas.

Em primeiro lugar, alude a uma “verdadeira democracia” que protege os interesses de militantes da “diversidade sexual”, mas ridiculariza o massivo protesto da sociedade francesa — liderado inclusive por um homossexual —, o qual foi ignorado pelos parlamentares daquele país.

Em seguida, afirma que a interpretação do artigo 226 da Constituição brasileira deve fugir da literalidade (casamento entre “homem e mulher”). Ora, tal princípio nos faria reféns da insegurança jurídica e permitiria ulteriores desdobramentos, como equiparar ao matrimônio a poligamia, a pedofilia, etc.

Na mesma linha, afirma que impedir o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo feriria o artigo 5º da Constituição, o qual veda a discriminação. Mas incapacidade equivale à privação de direito?

Curioso é que logo depois a promotora ousa dizer que todo o pensamento contrário é necessariamente religioso e, como tal, deve ser excluído do debate. Assim ela acaba de ferir esse mesmo artigo 5º da Constituição e os mais elementares princípios da racionalidade.

Finalmente, declara que o objetivo da militância é a instauração de um ideário de vanguarda tão alheio aos valores brasileiros que se poderia qualificar de totalitário.

Gostaria apenas de indagar à missivista:  O que é o matrimônio? O que é a família? — Somente buscando uma resposta cabal a essas perguntas poder-se-á fortalecer a nossa sociedade e valorizar os verdadeiros direitos civis.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...