10 de mar de 2012

Que raios são 318?

Sempre me intrigou. Nunca obtive resposta.

Repare bem: o número 318 aparece muito por aí.

Foram 318 os soldados de Abraão em sua batalha com os reis arameus (Gn 14,14).

Não sei em que isso ajuda na interpretação, mas, segundo a gematria rabínica, 318 equivale ao nome de Eliezer, servo de Abraão.

Porém, segundo o pseudo-Barnabé (Ep. Barn. 9, 6), 318 é, na numerologia mística, um código para Jesus-Cruz: em grego, 300 = τ (tau, símbolo da cruz) e 18 = ιη, iniciais de ιησυς, Jesus. Curiosamente, a Santa Cruz foi encontrada por Santa Helena no ano de 318. 

São 318 as citações acerca da Parusia de Cristo no Novo Testamento.

Foram 318 os bispos (um sexto do episcopado da época) participantes do primeiro Concílio de Niceia (325 AD).

Mas também, conforme o escaravelho do faraó Amenófis III, sua noiva a princesa Gilu-Hepa de Mitani, com quem se casou em 1380 a.C., desembarcou no Egito com outras 317 moças para o harém, perfazendo-lhe um total de 318 mulheres.

O número total de mortos durante os quatro dias de luta descritos na Ilíada foi de 318.

318 é a soma dos doze números primos entre 7 e 72. A soma dos algarismos dá 12. Seu produto, 24.

Os monges copistas de Constantinopla imprecavam contra os caluniadores apelando às “maldições dos trezentos e dezoito Padres” (vai saber que são eles).

Só para não dizerem que estou chutando, algumas de minhas fontes foram:
SARNA, Nahum: The JPS Torah Commentary, Genesis.
VINCENT, M. R.: Word studies in the New Testament, vol. 2.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...