24 de set de 2009

Oito pensamentos de Raimundo Lúlio


Considero uma ótima leitura O Livro do Amigo e do Amado, do Bv. Raimundo Lúlio. O autor medieval descreve em pensamentos numerados um diálogo entre a alma (o Amigo) e Deus (o Amado).

Reproduzo alguns dos pensamentos:

12. Dize‑me, louco de amor, o que é mais visível: o Amado no amigo, ou o amigo no Amado? Respondeu que o Amado é visto pelos amores, e o amigo, pelos suspiros, prantos, sofrimentos e dores.

17. Houve uma disputa entre os olhos e a memória, porque os olhos diziam que era melhor ver o Amado que lembrá‑lo, e a memória dizia que é pela lembrança que sobe a água aos olhos e o coração se inflama de amor.

54. Disse o Amado: — É estranho e contra o amor, que o amigo durma esquecendo o Amado. Respondeu o amigo: — É estranho e contra o amor, que o Amado não acorde o amigo, já que tanto o desejou.

90. Mostrava‑se o Amado a seu amigo com vestes novas e avermelhadas. Estendeu seus braços para que pudesse abraçá‑lo e inclinou sua cabeça para que pudesse beijá‑lo e se elevou ao alto para que pudesse encontrá‑lo.

131. Jazia o amigo no leito do amor. Os lençóis eram de prazeres, o cobertor de mágoa, o travesseiro de pranto. E não se sabia se o travesseiro era feito do mesmo tecido que os lençóis e o cobertor.

163. — Dize‑me, louco, o que desejas com mais força, amar ou odiar? — Amar, respondeu, pois odeio para poder amar.

216. O Amado feria o coração do amigo com vergastadas de amor, até fazer‑lhe amar a árvore da qual o Amado tirava as varas com as quais fere os que o amam. Nessa árvore o Amado sofreu abatimento, desonra e morte, a fim de restaurar o amor dos amantes que perdera.

230. O Amado veio pousar na casa do amigo, e este Lhe preparou um leito de pensamentos e serviu‑Lhe lágrimas e suspiros; e o Amado pagou a sua estadia com lembranças.

De todos eles, gosto especialmente do 131, que interpreto antropologicamente como uma alegoria da natureza humana (espírito, alma e corpo):

• O leito é um só, pois o leito representa o amor espiritual, e o espírito tem a propriedade de unificar instâncias díspares.

• Lençóis e cobertor (prazeres e mágoa) representam as paixões, que são contraditórias e tanto nos arrastam ao gozo quanto à tristeza.

• O travesseiro (pranto) representa a ambivalência do movimento corporal: podemos chorar tanto de alegria quanto de dor.

De qual dos pensamentos você gostou mais?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...